Tuesday, March 02, 2021
POLÍTICA

MISSÕES DE PAZ DA ONU EXORTAM O PR PARA À NOMEAÇÃO DE NOVO PRIMEIRO-MINISTRO DA GUINÉ-BISSAU

Maio 11, 2019
  

Os chefes das Missões da Paz das Nações Unidas para a África Ocidental exortaram, no fim da tarde desta sexta-feira, 10 de maio de 2019, ao Presidente da República da Guiné-Bissau para a nomeação de um novo Primeiro-ministro, porque é crucial para o país neste momento.

A advertência da ONU foi feita no final da 34ª reunião de Alto Nível de Chefes das Missões da ONU para a África Ocidental e Sahel que decorreu em Bissau, numa das salas de reuniões do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

A reunião que decorreu sob a coordenação do Representante Especial do Secretário-Geral e Chefe do Gabinete das Nações Unidas para a África Ocidental e o Sahel (UNOWAS), Mohamed Ibn Chambas, visa fortalecer a coordenação entre as partes, a fim de reforçar as sinergias face aos desafios e ameaças comuns que as regiões da África Ocidental e do Sahel enfrentam.

Após análise de vários assuntos relacionados com a questão da segurança e paz nos diferentes países da sub-região, em particular a situação da Guiné-Bissau, foi produzido um comunicado final no qual se congratulam com a realização de eleições parlamentares pacíficas, credíveis e transparentes no país.

Expressaram ainda preocupações pelo fato de os esforços de estabilização pós-eleitorais estarem a enfrentar sérios desafios relacionados com o ressurgimento de divisões partidárias em torno da eleição dos membros da Mesa da Assembleia Nacional Popular. No entanto, instaram todos os partidos com representação parlamentar a trabalharem juntos de maneira construtiva permitindo que o parlamento centre as suas ações nas prioridades pós-eleitorais.

Os chafes das misões apelaram às autoridades nacionais e à Comissão Nacional das Eleições no sentido de completarem o ciclo eleitoral através da organização das eleições presidenciais antes do final de 2019, de acordo com a Constituição e a Lei Eleitoral.

O colectivo, por ultimo, encorajou os parceiros, em particular o Grupo dos Cinco (UA, CPLP, CEDEAO, UE e ONU), a continuar a coordenar as suas atividades envolvendo os atores políticos guineenses, à fim de promover um diálogo genuíno para o desenvolvimento do país.

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, que deve terminar o seu mandato a 23 de junho de 2019, disse na manhã do mesmo dia numa confêrencia de imprensa, que aguarda a resolução do impasse no parlamento do país para marcar as eleições presidenciais.

José Mário Vaz explicou que aguarda a constituição da mesa da Assembleia Nacional Popular, porque depois são necessárias várias tramitações até à marcação da data das eleições presidenciais.

“Eu vou marcar a data das eleições presidenciais, mas não depende exclusivamente de mim. Há o GTAPE (Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral) e a CNE (Comissão Nacional de Eleições). Eles é que estão a preparar a agenda para propor datas possíveis para haver eleições, é preciso ouvir o Governo e partidos políticos com assento parlamentar. Perante este ambiente eu não posso marcar a data enquanto aqueles órgãos não se pronunciarem sobre o assunto”, afirmou o Presidente guineense.

GN