Tuesday, March 02, 2021
POLÍTICA

PM PEDE EXONERAÇÃO DOS MINISTROS DO INTERIOR E DA AGRICULTURA ALEGANDO FALTA DE CONFIANÇA

Maio 17, 2019
  


O Primeiro-Ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes apresentou uma proposta de exoneração dos Ministros do Interior, Edmundo Mendes, e da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nicolau Dos Santos, ao presidente da República, José Mário Vaz, alegando a falta de confiança nos dois membros do seu executivo.

Na proposta oficial que a que o «gnbissau.com» teve acesso, o chefe do governo alegou que na sequencia de cumprimento das diligencias pela Polícia Judiciária (PJ), relativamente a audição do ministro da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, alusivo ao processo “arroz do povo”, durante a qual foi ordenada a detenção do responsável do pelouro, o ministro do Interior, disponibilizou as Forças de Intervenção Rápida que impedirama execução da ordem de detenção.

“No passado dia nove (9) de Maio do ano em curso, pelas 19 horas, período legalmente proibido de execução de actos processuais, excepto as diligencias permitidas por lei, o Ministro do Interior disponibiliza as forças da ordem fortemente armados para proteger o delegado do Ministério Público para arrombamento do armazém, no bairro de Penha, para retirar o arroz armazenado pela PJ e que e estava sob custódia desta”, explicou Aristides Gomes.

No entanto, o chefe do governo afirmou que o ministro do Interior, durante o acto da comemoração do aniversário da criação da Guarda Nacional, “com arrogância e desrespeito” a sua pessoa enquanto primeiro-ministro, tentou justificar a sua actuação ilegal e abusiva com ofensas injuriosas à sua pessoa.

“Perante os factos expostos e na impossibilidade de manutenção da relação de confiança, eu enquanto chefe do governo, venho propor-lhe, Excelência, senhor  Presidente da República, a exoneração do senhor Nicolau Dos Santos do cargo do Ministro da Agricultura e do Desenvolvimento Rural e do senhor Edmundo Mendes do cargo do Ministro do Interior, em consequência assumo a gestão temporária das duas instituições”, concluiu Aristídes Gomes.

Processo Arruz di Povo

Após a receção oficial do arroz doado pelo governo da China, segundo Aristides Gomes, que se destinava  a distribuição às populações carenciadas da Guiné-Bissau, o produto foi confiado ao Ministro da Agricultura e do Desenvolvimento Rural e foi armazenado em Bissau, no bairro de Bandim, na zona de Cacoma.

“Porém, Algum tempo depois, com base em denúncias a Polícia Judiciária promoveu a abertura de um inquérito com vista o apuramento dos factos, o que culminou com a descoberta do arroz nas localidades do país e nomeadamente na quinta supostamente pertencente ao Ministro da Agricultura e do Desenvolvimento Rural”, explicou o chefe do governo. Para estre governante, foi requerida a audiência do referido governante, pela PJ, o ministro não se designou a prestar a devida colaboração, tendo se recusado inclusivamente a obedecer a ordem de detenção que lhe foi decretada. GN