Sunday, February 23, 2020
DESPORTO

FEDERAÇÃO DE BASQUETEBOL AUSENTE DAS PROVAS INTERNACIONAIS DEVIDO A FALTA DE ORGANIZAÇÃO

Maio 25, 2019
  

O presidente da Federação de Basquetebol da Guiné-Bissau, Mohamed Queita, afirmou que esta modalidade desportiva nacional não vai participar em nenhuma prova internacional do ano em curso devido a falta de preparação técnica e de organização interna.

Numa entrevista exclusiva a gnbissau.com, Mohamed Queita disse que apesar de receber alguns convites para a possível participação nas diferentes competições internacionais, a equipa nacional de basquetebol não poderá marcar presença devido a falta de organização.

Arquivo da página facebook da FBGB

“Primeiramente, porue a minha direcção vai apostar na organização da sua estrutura e só depois é que vamos pensar na nossa participação nas competições internacionais”, disse o presidente da Federação Nacional de Basquetebol.

No entanto, apesar das dificuldades, Mohamed Queita disse que já  têm parcerias com a federação de basquetebol do Senegal nos domínios da formação de técnicos e dirigentes.

“Defendemos a formação técnica porque o basquetebol precisa de ter quadros de qualidades por isso pedimos a formação para os técnicos e dirigentes, havia possibilidades de solicitar e conseguir materiais desportivos mas, não vamos fazer isso, no momento o que nós precisamos é de formação e organização interna, isso é que nos importa”, declarou.

Para este responsável as necessidades metriais desportivos e outras são claras, mas disse que a sua direcção decidiu apostar primeiramente na formação como sendo o elemento mais importante para se ter um basquetebol mais qualitativo, à imagem de alguns países africanos que já apresentaram avanços nesta modalidade, como é o caso da federação da Gâmbia e de Cabo-Verde, com as quais têm boas parcerias.

Arquivo da pagina facebook da FBGB

“Por enquanto, na Europa ainda não temos parcerias, mas esta lá o nosso colega professor que vive em Portugal, é ele que tem facilitado a comunicação com a federação de basquetebol de Portugal. Como sempre disse, a minha preocupação maior é organizar a casa primeiramente, e depois pensar nas eventuais participações nas competições internacionais”,afirmou. 

Instado sobre o objectivo das visitas que efectuou recentemente às regiões do país concretamente nas localidades de Bissaorã, Buba e Quinhamel, o presidente da Federação Nacional de Basquetebol disse que

O motivo da visita a estas zonas foi no sentido de se inteirar das reais situações dos campos de basquetebol, com o intuito de apoiar na melhoria das suas condições e oferecer bolas aos técnicos que la se encontram, tudo no  sentido de resgatar os atletas e permitir maior prática da modalidade nas regiões. 

“Tudo isso passa pelo nosso esforço eu e o meu vice-presidente, nós quotizamos em dinheiro e depois arranjamos materiais e viajamos para o interior com a missão de manutenção dos campos que lá se encontram. A situação geral das infraestruturas desportivas para a modalidade de basquetebol inda está muito mal e é por isso que achamos por bem marcar uma pausa, mas vamos continuar com esta visita nível nacional. Já o próximo passo será visitar Farim, Bolama, Bula, Canchungo e as demais zonas do país.

Segundo Mohamed Queita, está-se a preparar a organização, ainda este ano, de um festival de basquetebol a nível do país, com objectivo de resgatar os atletas nas regiões.

“Mas tudo vai depender do meio económico como disse atrás. Quotizamos, eu e a minha direcção, a fim de poder realizar qualquer actividade desportiva porque não há temos recebido quaisquer apoios por parte do governo, se não o apoio financeiro, técnico e material do Comité Olímpico da Guiné-Bissau, mas esperamos que este o nosso sonho será uma realidade com a colaboração de todos nós (guineenses). GN