Tuesday, March 02, 2021
POLÍTICA

PARTIDOS DE MAIORIA PARLAMENTAR EXIGEM FIM “IMEDIATO” DOS DESMANDOS E ABUSOS VIGENTES NO PAÍS

Maio 09, 2019
  

Os quatro partidos representantes da maioria parlamentar (PAIGC, APU-PDGB, UM e PND) exigiram, esta quarta-feira (08.05.19), o fim imediato das acções de desmandos e abusos, por parte do presidente guineense José Mário Vaz,sobre o povo da Guiné-Bissau e o seu direito soberano de escolher os seus representantes e o seu governo.

Numa conferencia de imprensa presidida pelo líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), o conjunto dos partidos, na voz de Domingos Simões Pereira, responsabilizou o presidente da república pela situação vigente no país, recaindo sobre eles as consequências directas e indirectas de todas as implicações daí decorrentes.

“Está à 45 dias do fim do seu mandato pelo que é um imperativo a nomeação do primeiro-ministro e formação do governo, assim como a marcação “imediata” da data das eleições presidenciais de 2019”, explicou.

Domingos Simões Pereira apelou à uma forte mobilização de todas as sua estruturas políticas, os demais partidos políticos democrático, da sociedade civil e de todos os cidadãos, no país na diáspora, para a luta  pela defesa da liberdade e pelo restabelecimento do Estado de direito no país.

“Lanço um apelo às organizações sindicais e confederações sindicais e confederações de trabalhadores a analisarem o quadro político vigente, evitando de viabilizar involuntariamente aproveitamentos políticos e, na medida do possível, suspender as acções reivindicativas até à existência de um novo governo que se interessará em discutir um quadro de compromissos de responsabilização social”, afirmou o líder do PAIGC, num momento em que as duas organizações sindicais do país “União Nacional dos Trabalhadores da Guiné e Confederação Geral de Sindicatos Independentes” iniciaram uma greve de 3 dias, em curso, na função pública guineense.

Domingos Simões Pereira saudou os esforços da Comunidade Internacional em particular a CEDEAO pelo acompanhamento que fez a situação política no país e exortou ao reforço de atenções e empenho na consolidação das instituições democráticas, em alinhamento com os desígnios do povo guineense, a favor da paz e da estabilidade.

Por sua vez, o líder da Assembleia do Povo Unido  (APU / PDG), Nuno Gomes Na Biam disse que a coligação  está disposta à recorrer por quaisquer vias no sentido de defender interesse da Guiné-Bissau.

“Não vamos permitir que o país vá para o abismo. O Domingos Simões Pereira tem que ser nomeado como o Primeiro-Ministro da Guiné-Bissau”, advertiu o líder da quarta formação política do país.

Nuno Na Biam garantiu que o próximo governo não vai governar o país com ódio e não haverá perseguições individuais, mas sim, que a justiça será feita.