Thursday, December 12, 2019
NACIONAL

Presidente da CNE pede serviço de comunicação social imparcial e responsável na cobertura das eleições

Novembro 09, 2019
  

O Presidente da Comissão Nacional das Eleições (CNE) solicitou terça-feira aos profissionais de comunicação social um trabalho isento, imparcial e responsável durante a campanha das eleições presidenciais de 24 de novembro, que hoje cumpre o quinto dia.

José Pedro Sambu fez esse apelo na cerimónia de abertura de ateliê de capacitação sobre cobertura mediática das eleições destinado aos jornalistas dos órgãos de comunicação social da Guiné-Bissau.

“O ateliê tem como objectivo principal reforçar a capacidade dos profissionais da imprensa em matéria de cobertura jornalística das eleições, e por outro lado, potenciar um processo eleitoral credível, transparente e pacífico de modo a contribuir pedagogicamente para que os cidadãos cumpram as suas responsabilidades cívicas e sejam capazes de tomar decisões conscientes”, disse aquele responsável.

O evento é organizado pela CNE, em colaboração com Rede das Comissões Nacionais das Eleições da Comunidade Económica dos Estados da Africa Ocidental (ECONEC).

A Presidente de ECONEC e igualmente Presidente de CNE de Cabo-Verde Maria do Rosário Lopes Pereira Gonçalves pediu seriedade aos dirigentes guineenses e a colaboração da comunidade internacional para que às Eleições Presidências prevista para 24 de Novembro se concretize.

“É o desejo da ECONEC e do mundo que as eleições aconteçam e que sejam pacíficas e ordeiras Por isso, queremos também que o resultado das eleições seja clarificador e que a governação corresponda a vontade colectiva traduzida na maioria dos votos expressos na urna”, desejou Presidente da ECONEC.

Maria do Rosário garantiu que a ECONEC vai fazer de tudo para apoiar a CNE da Guiné-Bissau na condução de um processo eleitoral pacífico, justo, inclusivo e transparente.

“As pessoas têm dificuldades em perceber onde acabam os factos e começam os argumentos e onde acabam verdades de factos e certezas, têm ainda dificuldade de diferenciar a verdade da mentira. É a partir dessas dúvidas que entram os jornalistas para esclarecer as coisas e para sensibilizar a sociedade”, afirmou.

Sublinhou que compete aos jornalistas o trabalho de confirmar e comprovar os factos e os dados lançados no espaço público e igualmente prevenir as situações de conflitos, promover o esclarecimento objectivo da opinião pública sobre o processo e promover um debate político saudável durante e no período pós-eleitoral.

Durante os dois dias de seminário serão debatidos os temas: Direitos e Deveres dos Jornalistas no Processo Eleitoral, Regras e Princípios para a Cobertura das Eleições, Responsabilidades dos Profissionais da Imprensa durante o período Eleitoral, Mecanismos de Regulação dos Médias e Riscos, entre outros. ANG