Thursday, December 12, 2019
ENTREVISTA

ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS DE QUELÉLÉ: MAIS DE DOIS MIL JOVENS FORMADOS EM 16 ANOS DE EXISTÊNCIA

Novembro 19, 2015
  
A ONG entendeu que devia dar a sua contribuição ao país dando formação aos jovens, reforçando as suas competências e técnicas para integrarem o mercado de trabalho com duas componentes de formação – a profissionalizante e a comunitária.
“Da sua fundação para cá, mais de 2000 (dois mil) jovens foram formados em diferentes domínios”, assegura o director da EAO, Jorge Camilo Handem (Jorgito) à Gazeta.
Durante a conversa, Jorge Handem, afirmou que a maior dificuldade até ao momento “é a constante instabilidade política”, outrossim, “é o monopólio de financiamento”.
Este responsável explica que a escola conta apenas com um financiador, que é a Cooperação Portuguesa que apoia a organização em quase 70% do seu orçamento, uma situação que não dá garantia a médio e longo prazo. “É uma disposição que não tem garantia pois se desaparecer complica a existência da instituição” frisa Handem. No entanto, reconhece e realça a importância e o engajamento da Cooperação Portuguesa, parceira graças a qual vão poder ultrapassar, no futuro não distante, a questão de insuficiência energética, pois financiou a aquisição de painéis solares equivalentes a um gerador de 15 a 17 KV’s a instalar na escola pelos próprios formandos.
Para contornar essa situação, Jorge Handem salienta que está-se fazer esforços no sentido de “inverter a situação”, através de tentativas de contactos com algumas organizações internas que possam garantir ou permitir colmatar as lacunas existentes assim como ajudar a pagar custos de formação para grupos de jovens sem condições de fazê-lo.
Por outro lado, o director da EAO entende que a confiança e o prestígio que a escola tem vindo a conquistar ajudou bastante a influenciar a cooperação portuguesa e outros parceiros.
As perspetivas da EAO de Quelélé
“Jorgito” elenca como prioridade, no âmbito das suas perspectivas, a autossuficiência da escola; melhoria dos cursos e o acompanhamento das necessidades do mercado de trabalho; ter a capacidade de dar formações fora da escola atendendo um público maior e diversificado.
No mesmo âmbito, Handem revela que, no próximo curso de painéis solares, vai ser introduzido a formação em montagem e reparação de electrobombas.
EAO – Escola credenciada
A EAO é uma instituição de ensino que emite um certificado CAP (Certificado de Aptidão Profissional) reconhecido pelo Ministério da Educação Nacional. Lecciona desde informática de base; artes domésticas e culinária; eletricidade; electrónica; montagem e manutenção de painéis solar; auxiliares de educadoras de infância; entre outras formações como tinturaria e extração de sal solar.